Chrome é o navegador mais utilizado na internet, mas perde participação

Dados - X

A Shareaholic publicou o seu mais recente relatório de monitoramento da web e constatou que, mais uma vez, o Chrome é o navegador mais utilizado pelos usuários que acessam os mais de 200 mil domínios administrados pela empresa. Nas contas da companhia, de setembro de 2013 até abril deste ano, o navegador da Google perdeu 0,11% de sua antiga participação de mercado. O app agora representa 34,49% de todo o tráfego dos sites monitorados.

Ainda assim, o Chrome é indiscutivelmente o líder na pesquisa da empresa, tendo mais do que o dobro em participação que o segundo colocado e, se juntarmos os números do IE, do Firefox e do Opera, ainda assim não dá para competir com a solução da Google. Esse resultado é praticamente o mesmo em relação ao relatório passado, mas há uma grande surpresa.

Evolução mês a mês dos navegadores: IE e Safari disputam a segunda posição

O navegador da Mozilla perdeu a segunda colocação para o Safari, da Apple e ainda foi ultrapassado pelo IE da Microsoft. O Firefox foi o navegador com resultado mais negativo avaliado na pesquisa, tendo perdido mais de 28% de sua participação registrada em 2013.

Por mais incrível que pareça, a segunda colocação na avaliação da Shareaholic ficou nas mãos da Apple. O navegador da Maçã, em praticamente todas as outras avaliações, nunca tem resultados tão expressivos e raramente mostra números melhores que o Opera, outro app que sofreu duras perdas nos últimos meses.

Isso acontece porque a empresa avalia o tráfego apenas dos sites que estão sob o seu guarda-chuva e, por isso, esse tipo de distorção pode acontecer. Assim, dependendo do público que os domínios da empresa tentam cooptar, as chances de discrepâncias aumentam.

Fora isso, o método de avaliação é diferente da maioria, uma vez que navegadores mobile das empresas estão sendo contados junto com suas versões para desktop, exceto o Safari in-app, que não é exatamente um navegador, mas um complemento utilizado por algumas ferramentas do iOS.

Fonte:TecMUndo.